quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Gary Peacok trio - Tangents


Dá-me a tua mão


Dá-me a tua mão e vem comigo
arrastando os pés,
soltamos a poeira de Outono das folhas caídas
e pensemos,

Pensemos silenciosamente
sem parar,
num tagarelar inconsequente
de sonhos que por isso não se tornaram verdadeiros,

Verdadeiros, andemos lado a lado
sintamos,
suavemente concretizemos as nossas ausências
a tua e a minha, a caminharem no passeio do que não existe,

Existe apenas o que imaginamos e não o que sentimos
esqueçamos,
eternamente que não existe o que vemos
mas só o que não é visto.


Inkheart





quarta-feira, 18 de outubro de 2017

cento e seis vidas depois


As lições de Pedrogão Grande foram aprendidas, não se poderá repetir, disseram eles.
As falhas de comunicação do Siresp não podem voltar acontecer, disseram eles.
As entidades responsáveis pelo combate ao fogo vão-se coordenar mais eficazmente, disseram eles.
A ocorrência deste incêndio estava circunscrito geograficamente, disseram eles.
As condições climatéricas eram muito adversas e excepcionais, disseram
O incêndio de Pedrogão Grande causou 64 mortos.

Neste fim de tudo o que foi dito não aconteceu.
Não foram aprendidas lições nenhumas de Pedrogão Grande, o Siresp voltou a falhar, e todas entidades, os meios de combate ao incêndio estiveram descoordenados e as condições climatéricas excepcionais mantiveram-se... excepcionais.

A quantidade de meios disponíveis, (veículos, meios aéreos e prontidão de homens) estavam reduzidos em cerca de quarenta por cento, por força de o Ministério da Administração Interna (MAI) ter declarado que a fase Charlie não seria prolongada e esta daria lugar à Delta. E assim entrou-se Outubro.

No fim de semana passado deflagraram mais de 500 fogos em várias zonas do país. O resultado deles é triste e devastador. Para além de cinzas em cima de cinzas, quarenta e uma vidas foram ceifadas, largas centenas de animais perderam as suas, dezenas de casas destruídas, várias fábricas ardidas, muitos empregos desapareceram e a subsistência das populações está em risco.

Em quatro meses perderam-se 105 vidas.
António Costa afirmou que se vão viver seguramente mais situações como esta porque esta condições vão-se manter nos próximo anos.
O secretário de estado do MAI, Jorge Gomes, disse que as populações não podiam estar sempre à espera que os bombeiros acorrem-se aos locais, que estas fossem mais pro-activas.
Como se todos os dias não víssemos as pessoas ajuda-los e apagar fogos com o que têm à mão.

Finalmente, quatro meses depois, mais de uma centena de vidas perdidas e doze horas depois de um ralhete ríspido e incisivo por parte do Presidente da República, como nunca antes o tinha feito, o primeiro-ministro deixa a ministra do MAI, Constança Urbano de Sousa, demitir-se.
Esta já o tinha querido fazer por duas vezes e Costa não aceitou.
Precisamente há quatro meses, precisamente há sessenta e quatro vidas.




sábado, 14 de outubro de 2017

uma música para o fim de semana - Grand Father's House





Remember me when I grow old
I hope I'll be thinkin' of you
If I won't die very soon
I hope I change my point of you


If I can see, stab my eyes
If I still hear, please shut them up


If I can walk, break my bones
If I can feel, what would I feel?


Shoot me down
You got nothing to loose this time

Shoot me down
You got nothing to loose this time 
You got nothing to loose this time 
You got nothing to loose this time 
You got nothing to loose this time 


If I can see, stab my eyes
If I still hear, please shut them up
If I can walk, break my bones
If I can feel, what would I feel?


Shoot me down
You got nothing to loose this time 
You got nothing to loose this time 
You got nothing to loose this time 
You got nothing to loose this time 



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

série " pessimismos" de David Daneman I


As vinhetas do canadiano David Daneman são de um sarcasmo e mordacidade enorme.
Inerente a elas há finais inesperados repletos de um pessimismo latente, implícito. 

Nas suas histórias, ele é o protagonismo principal, contracenando frequentemente com ele próprio.
Sendo naturalmente, a banda desenhada, algo que forçosamente tem que ser visto, pelas suas vinhetas perpassa um silêncio quase incomodativo, mas necessário para o impacto que elas têm em nós.

Dave Daneman é literalmente um mimo gráfico, no sentido que comunica connosco através de gestos e do seu rosto.
Bem vindos ao seu universo