sábado, 21 de abril de 2018

uma música para o fim de semana - Salvador Sobral


Amar pelos Dois foi das coisinhas mais xaroposas que ouvi na minha vida. Melada, arrastada, lamurienta, monótono e monocórdica.
Nunca consegui ouvir esta canção até ao fim e sempre que a ouvia no rádio, mudava de estação como se tivesse a tocar João Pedro Pais ou David Fonseca. Autenticamente uma praga.
E perguntava-me se ele seria capaz de cantar alguma outra coisa que não esta coisa, a música com que ganhou o festival da canção.

Claro que sim, Felizmente para ele, claro que sim. A maior parte
Em Dezembro do ano passado ele lança uma versão ao vivo do seu álbum de estreia e de estúdio Excuse Me. E se na versões de estúdio impera uma certa racionalidade e contenção, os palcos permitem maior liberdade e "exibicionismo".

E na canção título do álbum, Salvador tem algumas doses exibicionismo vocal virtuoso que encantam. A música jazzística, onde ele melhor se movimenta, é de excelência, principalmente o trabalho do piano.

Três músicos tocam com o cantor: Júlio Resende, um dos melhores pianistas jazz nacionais; André Rosinha, contrabaixista e o baterista, Bruno Pedroso.


Bom fim de semana ☺




Excuse me
If I bore you
When I talk about the things I like to do

Excuse me
If I'm not like them
I'd always liked to think there's something else out there
For us the world is a gift
A spin as a day
A turn as a year
And if the day give us rain
Let's stare at the falling drops
In the air that I breathe when you wonder outside
Touch of sunlight when the words getting dark
Slow down the pace of the clocks in our heads
So we can keep shaping the clouds

Excuse me
Is what you told me
When I didn't listen what you had to say
Maybe I am just like them
Forgetting you could also choose a way
Your view land they'd mind
Are two colour filters blazing my sky
Alone but together we'll share
The touch, the taste, the smell
Oh, the air that I breathe when we're wonder outside
Touch of sunlight when the words getting dark
Slow down the pace of the clocks in our heads
So we can keep shaping the clouds

Excuse me
Is what you told me
When I didn't listen what you had to say
Maybe I am just like them
Forgetting you could also choose a way
Your view land they'd mind
Are two colour filters blazing my sky
Alone but together we'll share
The touch, the taste, the smell
Oh, the air that I breathe when we're wonder outside
Touch of sunlight when the words getting dark
Slow down the pace of the clocks in our heads
So we can keep shaping the clouds



terça-feira, 17 de abril de 2018

GoGo Penguin - A Humdrum Star


No episódio 7 da série do Cosmos (1980), Carl Sagan na sua narração afirma:

Desde que há seres humanos, temos questionado qual o nosso lugar no Cosmos.
Onde estamos? Quem somos? Descobrimos que vivemos num insignificante planeta de uma monótona estrela, perdida numa galáxia, escondida algures num canto esquecido do Universo, onde existem bem mais galáxias que seres humanos.

Humdrum Star é o nome do novo trabalho do trio britânico de jazz oriundo de Manchester.
Foi em 2016 que editaram o seu último (e extraordinário) trabalho - Man Made Object.

Agora segurava-o na mão. Pareço uma criança pequena a quem dão um brinquedo que até sabe qual, porque foi ela que o escolheu, mas mesmo assim mantém-se intacta a ansiedade, o desejo de brincar com ele, de... o ouvir.
Ao contrário do significado título em inglês, este trabalho não tem nada de monótono. Pelo contrário é vibrante como o seu antecessor. Só ainda não percebi se é melhor que ele.
Vou precisar de o ouvir várias vezes para desfazer a dúvida. Que seca que vai ser... ;)





sábado, 14 de abril de 2018

uma música para o fim de semana - The Legendary Tigerman


Misfit nasce nos Estados Unidos durante uma gravação de um filme. Misfit, desenquadrado, inadaptado, diria fora da caixa, é a sensação que Legendary Tigerman, o alter ego de Paulo Furtado tem de si próprio e assume-o, como já não o fosse fazendo há quase duas dezenas de anos, com este album.

Fix of Rock'n'Roll sai na frente, a promover o álbum.
É uma bela rockalhada. Forte e poderosa. A voz de Paulo Furtado  tal como a sua guitarra é enérgica, expansiva e vigorosa.
Ouvi-lo, remeteu-me, com as devidas distâncias, para o universo dos Ramstein.

Um tema muito intuitivo, intenso, algo animal e obscuro.
Tal como Tigerman gosta e nós também.

Curioso é comparar o tema Do Come Home do seu álbum anterior, True, com o de hoje.


Bom fim de semana ☺



Uh Uh Uh
Uh Uh Uh

I say I wanna run over water
You say you wanna walk through the fire
Don't wanna wake up for the same old same old
I wanna feel like I'm riding a wild horse
you wanna go out dancing and screaming
I wanna party with brothers and sisters
you need a fix of lust & desire
I wanna love you and learn you and smell you
You wanna be on the edge of mayhem
I want you to be on the top of my world

Uh Uh Uh
Uh Uh Uh
We need a fix of rock 'n´roll

You said you had a handful of nothing
I say you have a handful of dirt
I say I wanna crash in a jaguar
You say you want some love in the backseat
I wanna go out dancing and screaming
You wanna party with sisters and brothers
You need a fix of love and desire
I wanna love you and teach you and smell youI

You wanna kiss me and lick me and fuck me
You wanna kiss me and lick me and fuck me
You wanna kiss me and lick me and fuck me
You wanna kiss me and lick me and fuck me

Uh Uh Uh
Uh Uh Uh
We need a fix of rock 'n´roll